Algumas palavras sobre a poesia de Marcelo Ariel

Por Márcia Costa (texto e imagens)

livro ariel

Viagem pelo subterrâneo do ser humano. Desbravação. Resistência. Porrada na cara. Paixão delirante. Grito… A poesia de Marcelo Ariel ganha estas e outras adjetivações na voz de escritores, tradutores e críticos contemporâneos, amigos e leitores presentes no lançamento de seu livro,  Retornaremos das cinzas para sonhar com o silêncio (Editora Patuá), nesta última quarta-feira (16) no Hussardos Clube, em São Paulo.

No clube literário, enquanto a poesia de Ariel tomava novas nuances na voz e no corpo dos atores Haroldo Ferrari e Vinicius Zim, que subiram ao palco para lindamente interpretá-la, escritores escolheram um poema do novo livro para ler e comentar, em uma homenagem crítico-afetiva a ele.

Haroldo Ferrari

Estas palavras sobre a obra do poeta irão compor um pequeno vídeo-documentário, produzido pela revista Pausa (parceira do Canal Oito de Dança) e pelos documentarias colombianos Leonardo Rojas e Federico Lopez. Os depoimentos trazem à tona as impressões de quem conhece bastante a literatura brasileira e enxerga em Ariel um rompimento com a poesia contemporânea produzida no País.

A seguir, pequenos fragmentos das falas que estarão presentes no vídeo:

“A poesia de Ariel é uma porrada na cara. Ele é um agregador, grande lutador da poesia contemporânea de resistência. Um desbravador da poesia” (Fabiano Garcez, escritor).

Fabiano Garcez

“Ariel é um poeta nitroglicerínico” (Fabiano Calixto, escritor).

Fabiano Calixto

“O que mais me encanta é uma paixão delirante, um caso com o Surrealismo e o Neobarroco, viagem pelo subterrâneo do ser humano, da Filosofia, das Artes Plásticas. Ele não tem medo de confrontar o que o abismo do próprio espírito humano tem a dizer” (Luiz Braz, escritor e crítico literário).

Luis Bras

“Me intriga como Marcelo Ariel escreve dessa maneira tão ‘sesuda’ e ‘descarnada’. “(Manuel Barrós: estudante peruano, tradutor de literatura brasileira).

Manoel Barros

“Marcelo Ariel é um sobrevivente do caos urbano e industrial. Sua poesia é um grito, que brota de uma fênix que ressurge das cinzas, resultado da falência de uma sociedade industrial pós-moderna” (Manoel Herzog, escritor).

Manoel Herzog

 

A fala de Vanderley Mendonça, escritor e editor, responsável pelo Hussardos Clube, revela que a poesia de Ariel apresenta-se por si só, é literatura o suficiente para marcar. Logo que lê um poema de Ariel, Vanderley conta que já reconhece como uma criação dele. A obra fala por si só, é a própria assinatura do criador.

Vanderley Mendonça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s